Últimos assuntos
» - Valentine's Day Party -
Hoje à(s) 2:18 am por Sammi Scarllat

» MNM- Uma Aventura no Fundo do Mar.
Ontem à(s) 7:40 pm por Alex Griggs MacTavish

» Enfermaria do Acampamento
Sex Jun 23, 2017 8:58 pm por Hipnos

» ♦ TREINO DE AGILIDADE ♦
Sex Jun 23, 2017 2:10 am por Heloise Vox Wittemore

»  ✮ Praia ✮
Qua Jun 21, 2017 5:24 pm por Ace Kurama

» Chalé 28: Horkos
Ter Jun 20, 2017 6:07 pm por Panteão

» Chalé 27: Aristaios
Ter Jun 20, 2017 6:02 pm por Panteão

» MvP - Brumas do Cemitério - Eanom O'Dainill
Seg Jun 19, 2017 6:00 pm por Hipnos

»  ♦ Treino com Punhos e Soqueira ♦
Seg Jun 19, 2017 4:11 pm por Nine Zaytsev

Irmãos
3 de 5
Créditos
» Skin obtenido de Captain Knows Best creado por Neeve, gracias a los aportes y tutoriales de Hardrock, Glintz y Asistencia Foroactivo.
» Demais Créditos ao fórum e a Mayu Amakura da Lotus Graphics.
Elite
6 de 9
Parceiros
27 de 33

[OWN] O MEU IGUAL DIFERENTE! — KATHAROS

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[OWN] O MEU IGUAL DIFERENTE! — KATHAROS

Mensagem por Katharos em Qua Fev 22, 2017 1:41 pm

O Meu Igual Diferente
Feat. Zóphos | Submundo | Morpheia

Foi a primeira vez que o vi. Minha primeira impressão dele foi de que, apesar de toda a agressividade, havia muita pureza dentro dele.

O dia começou escuro, como era de costume no submundo. Acordar no palácio do meu pai era tão difícil quanto lutar na batalha de Tróia. É como se a cama tivesse amarras que se prendiam ao meu corpo, obrigando-me a não sair do estado de torpor total que o pó do sono que meu pai desprendia da sua sala espalhava pelo palácio.

Após uma odisseia que pode ter durado mais tempo do que imagino, eu consegui me erguer. As paredes pareciam estranhas, mudavam a todo tempo, com gravuras em alto relevo que estavam vivas. Pássaros, anjos e notas musicais voavam, enquanto uma música sonolenta era emitida pelo castelo. Um verdadeiro paraíso do sono.

Não é que eu odiasse aquilo, só não podia passar minha eternidade dormindo na casa do meu pai.

Havia discutido com ele a possibilidade de que eu passasse uma temporada no Olimpo com meu pai Eros, mas após o sequestro de Apolo e uma longa discussão entre os dois em que eu ouvi pratos quebrados, chamas e raios na sala, eu estava terminantemente de castigo. O palácio dourado de Hipnos ficou pequeno para os dois deuses.

Sai do meu quarto como era de se esperar no palácio de Hipnos. Não havia portas, então apenas atravessávamos as paredes. Ranger de portas podia acordar papai, então era melhor que tudo se mantivesse em silêncio.

Respirar o ar do submundo não era exatamente algo bom. Era sulfuroso e parecia que a névoa negra que envolvia o local se alojava em meus pulmões, mas depois de tantos anos respirando-o era difícil se incomodar.

Abri as asas quando estava no leito do Rio Lethe, tomando o cuidado para que nenhuma gota se quer respingasse em meu corpo. Podia ser um deus, mas não estava imune as artimanhas daquele rio. Eu poderia simplesmente esquecer a mim mesmo.

Não podia voar para muito longe, meus irmãos estavam me vigiando do castelo. Hora ou outra eu via um morcego voando próximo de mim. Estava ciente de que os Oneiroi não permitiriam que eu fosse mais longe do que papai permitia, o que tornava tudo muito chato.

Queria voar livre pelo submundo, pelo Olimpo e, porque não? Pelo mundo mortal. Conhecê-los, fazer amizade com eles e, quem sabe,  ter a oportunidade de conhecer um homem de alma pura com que pudesse ter um filho. Seria um sonho!

O Sono, no entanto, tinha outros planos.

Ouvi um grito agudo vindo de algum lugar próximo de Asfódelos, e não pude deixar de me conter em ir ao socorro.

Os morcegos começaram a se acumular como se estivessem em uma nuvem ao meu redor, girando como se quisessem me parar, nublando minha visão de onde deveria ir, mas me teleportei sem esforço para mais à frente e voei com ainda mais afinco em direção ao ocorrido, deixando-os para trás.

O que vi quando finalmente posei foi uma mulher. Seus cabelos estavam debotados, podiam ter sido castanhos, mas estavam sem brilho e nuvem puxados para o cinzento. Os olhos estavam assustados e vermelhos, como se não tivessem parado um segundo se quer de chorar. Haviam marcas em seu corpo que estavam inflamadas, lanhos de chicote. O corpo era frágil, mas o desespero do que seja lá que estava perseguindo-o, era ainda maior do que a fraqueza.

— Me deixa em paz! — Esbravejou para as suas costas, onde alguma coisa pequena se movia em grande velocidade por entre os penhascos.

Estávamos em uma espécie de vale agudo, dois paredões de cada lado e a passagem estreita em que nos encontrávamos não devia ser suficiente para que um elefante passasse. A coisa vinha em alta velocidade atrás dela, com suas mãos e pés estranhos, pequeno como um anão, andando de forma quadrúpede e dentes tortos e afiados.  

Eu acho que devia ter voado para não atrapalhá-la, mas estava tão fascinado com a cena que, fiquei ali, parado e atônito, enquanto ela se aproximava com uma faca negra nas mãos. Era óbvio que a criatura, que se aproximava cada vez mais, a venceria, então, numa atitude totalmente impensada, ela me alcançou, enlaçou meu corpo e apontou a faca negra no meu pescoço.

Eu demorei a perceber que estava sendo feito de refém.

A coisa pequena hesitou, como se ordenada a parar por um comando que eu não podia identificar de onde tinha vindo. Mais deles se juntaram ao cerco, descendo pelo paredão, babando uma gosma preta de sua boca com mau hálito.

— Me deixa em paz ou eu mato ele! — Esbravejou novamente, a faca apertando em minha garganta.

As coisas hesitaram, recuando mais um pouco, a ameaça da mulher surtindo efeito.

— Você poderia, por favor, afrouxar a faca? Está me machucando! — Eu falei, minha voz gentil como sempre.

— Cala a boca, ou eu te mato! — Respondeu. Eu não queria ser morto. Acho que nem podia ser, mas me preocupou aquele desespero na voz dela.

Dois deles abriram caminho a nossa frente, dando passagem para uma sombra grande, que posou nuvem a nossa frente. Devo dizer que fiquei estupefato quando notei que ele tinha três pares de asas, como eu mesmo. Podia-se dizer que ele era meu oposto. Parecíamos demais, mas em cores diferentes. Fiquei curioso a respeito dele.

— Eu não acho que você deveria estar aqui. — Falou, a voz aveludada e grave. — Seu pai não vai gostar nada disso! — Ele falou e eu gelei. Papai ia me deixar de castigo por toda a eternidade.

Eu sou meio lesado às vezes, então demorei a perceber que o estranho me conhecia. Ele ia contar para o meu pai que eu havia me metido em apuros e eu ia me encrencar.

— Por favor, não conta pra ele! — Eu implorei, quase choroso.

A figura me olhou curioso, quase ouvi uma gargalhada contida, achando graça de meu desespero. Ainda mais ciente de que estava com uma faca no pescoço e minha preocupação maior era tomar uma bronca do meu pai.

— Ok, não se mexa.— E apontou para a cabeça da mulher. Aquilo me alarmou.

— O que você vai fazer? — Perguntei, já ciente da resposta. A mulher gritou, apertando mais a faca no meu pescoço, mas isso não me preocupou. — Não! Espera! — Eu não me importei de receber um corte no pescoço, mas pus minha cabeça na direção da dela. Ele abaixou a mão.

— Não vou conseguir acertar ela se você estiver na frente! — Ele falou devagar, como se eu fosse uma espécie de retardado que não entendia o básico.

— Eu sei! Não vai simplesmente matar ela assim! Calma! Ela deve estar desesperada para recorrer a esses métodos! — Falei, como se estivesse coberto de razão e sabedoria.

— Ela fugiu de seu castigo! É um espírito condenado! — Respondeu, ainda irritado com minha atitude sem sentido. Sua frase era uma argumento gigantesco contra minha lógica louca, mas e daí? Tudo tem sempre quer ser tão preto no branco?

— Tá, mas deixa eu conversar com ela primeiro! — Falei, birrento. A mulher ficou assustada com minha atitude e se afastou de mim, apontando a faca na minha direção.

Vi que as criaturas ao redor estavam prontas para dar o bote nela e, num movimento rápido de minhas asas, eu me pus entre ela e as criaturas, as costas quase encostando na faca negra que estava incomodando muito sobre minha pele.

O outro deu um comando e as criaturas recuaram, apenas mantendo o cerco por segurança. Olhei feio para o garoto, que parecia controlar as criatura e me voltei com um olhar gentil para a mulher.

— Agora, me conte, porque veio parar aqui? — Falei com calma, apontando para tudo ao meu redor. Sabia que o submundo não era apenas um reino, mas uma punição.

— Eu sou inocente! — Falou e o garoto fez menção de dizer a frase mais antiga do mundo entre os carcereiros, mas meu olhar de fúria mega poderoso fez ele se calar. É. Eu sei ser intimidador quando quero. Só não entendi porque ele estava abafando um riso.  

— Eu acredito em você! — Falei e ela me olhou confusa. Eu realmente confiava nela. Ninguém teria tanto trabalho para escapar de seu castigo se não o merecesse. — Por favor, me conte tudo, para que eu possa ajudá-la.

Então ela contou que seu marido era um centurião e fora injustamente acusado de um crime que não cometeu, apenas para servir de bode expiatório para um amigo corrupto que armou para a culpa cair sobre ele. Ela procurou a justiça, mas ninguém a ouviu. Desesperada, ela acabou matando o tal amigo corrupto por pura vingança. Pegaram-na, ela tentou fugir e acabou morta. Condenada aos campos de punição.

— E foi só isso que aconteceu? — Foi a voz grave e aveludada do garoto que falou, aparentemente curioso com a situação. Seu olhar denotava saber de algo mais, algo que eu não sabia.

Olhei novamente para ela e ela hesitou. Peguei sua mão e a tranquilizei, fazendo carinho nela. Aparentemente o gesto a assustou e depois a relaxou. Provavelmente devia fazer muitos anos desde que alguém lhe fizera um carinho.

Ela admitiu que no meio da situação, acabou matando a esposa do traidor, imaginando que ela estivesse ciente da trama, mas os juízes disseram que ela era inocente e que não tinha a menor consciência das ações vis de seu marido.

— Isso a torna uma assassina! — Falou o outro. Eu rolei os olhos.

— Mas isso não quer dizer que ela não seja inocente! — Falei, envolvendo a mão dela. — Foi apenas uma vítima das circunstâncias! Não merecia ser castigada por tanto tempo. — Falei.

— Isso não é você que decide. — Disse uma voz grave as minhas costas. Eu gelei, era idêntica à do meu pai. Eu estava encrencado.

Quando me virei meu coração, que havia vacilado um compasso, voltou a bater. Não era o meu pai, apenas seu irmão gêmeo.  

— Senhor eu... — Começou o garoto, aparentemente um servo de Thanatos.

— Esta atrasado em conter a falha de segurança, estou vendo! — Disse, a voz mórbida, entediada e depressiva.

Ele se encolheu. Meu tio podia ser o tipo de pessoa que assustava muito, embora eu não o visse dessa maneira. Ele era legal, encobria minhas escapadelas.

— Mas tio, a pena dela precisa ser revista. — Eu choraminguei, o biquinho presente.

— Está disposto a enfrentar Hades? — Ele desafiou, uma sobrancelha arqueada.

— Claro! Tenho certeza que ele vai me ouvir! — Falei, convicto.

— Mesmo sabendo que ele vai chamar seu pai? — Eu engoli mais que bile e o outro abafou um riso, lhe rendendo um olhar de desaprovação de seu mestre.

— Uhum. — Era um muxoxo nada convincente, mas eu sabia que não tinha escapatória. Ela precisava de mim.

No final, eu consegui mudar a opinião de Hades, me custando um acesso de raiva escala terremoto do meu pai e um castigo severo de 100 anos sem sair de seu território, ficando sob vigilância constante de meus mil irmãos.

Qualidades:
➤ Amigo dos Animais: Grande empatia com animais. Eles o adoram em troca.
➤ Amabilidade: Característica de quem ama sem ver a quem. O amável consegue converter o mal em bem e a preguiça em proatividade e a tristeza em alegria.
➤ Energético: Qualidade de quem tem muita energia para gastar. Dessa forma, todo nível ganho, ganha-se também +15MP.
➤ Grupo: Pessoa que pensa em grupo e que convive em sociedade. Sempre que fizer algo com o grupo, há muitas chances de exito.
➤ Heroísmo: Sempre que realizar algo heroico em missão, o grupo, ou você mesmo é recompensado com um presente vindo dos deuses.


Defeitos:
➤ Mania: Ajudar qualquer pessoa, mesmo que a dita cuja não tenha pedido.
➤ Desastrado: Sempre que atacar com armas (espada, machado, arco...) há chances de erro.
➤ Ingenuidade: Defeito de quem é ingênuo e não sabe das coisas. Facilidade em cair em armadilhas.  
➤ Abnegado: Habilidade de doar-se para os outros. Isso impossibilita que o jogador ganhe XPs, Níveis e itens a mais que outros jogadores.
➤ Auto Sacrifício: Defeito de quem não está nem ai para si e só pensa nos outros. Nunca deixa ninguém para trás, ao contrário, fica para que o resto do grupo avance ou cede seus direitos para que outros se sobressaiam e coisas desse tipo.


Poderes Passivos:
➤ Imaculado: Katharos é o deus da pureza e santidade, por isso  nem ele é nem seus filhos podem ser influenciados por tentação ou ter seus sentimentos iludidos por outrem, mantendo-se em seu estado inalterado.
➤  Seraph: Katharos e seus filhos possuem, como marca natural asas de serafin, ou seja, três pares de asas róseas, com as pontas das penas douradas.
➤ Fotossíntese: Essa habilidade permite o personagem recuperar 15 de HP/MP sempre que em um ambiente iluminado.
➤ Músico: Habilita a compra de partituras na loja de música.
➤ Anjo da Cura: Habilidade de ser responsável e cuidadoso quanto a saúde alheia. Isso lhe permite abrir uma tenda para curar outras pessoas.  
➤ Aura de Santidade: Katharos possui 25% de bônus de defesa contra seres do submundo.
➤ Flagelo do Mal: Katharos possui 25% de bônus de ataque contra seres do submundo.
➤ Beijo do Seraphin: Um selinho flamejante, que queima os lábios de seu alvo, curando status negativos: Paixão, marionete, ilusão, paralisia e sonolência.
➤ Magnifikat: Uma aura melódica que se desprende no andar de Katharos que eleva o espírito de seus aliados, ampliando toda a habilidade de regeneração deles de MP em 50%.
➤ Meditatio: Aumenta a taxa de recuperação MP em 25% e dá um bônus de +100 de MP extra, além de aumentar as habilidades de cura em +10%
➤ Riqueza de Espírito: Reduz a quantia de MP consumida por habilidades em 20%.
➤ Destino Dependente: Katharos e Zóphos são seres opostos, mas seus destinos estão entrelaçados e dependem um do outro. Logo, se em missão você estiver ao lado de Zóphos, vocês ganham força, seus sentidos ficam aguçados, adquirem a habilidade de Telepatia, sentem a dor um do outro e dividem os danos sofridos.
➤ Ying-Yang: Se em missão você estiver ao lado de Zóphos, seus poderes de suporte aumentam em 25%.
➤ Storm Feather: Ao lado de Zóphos, as penas negras e brancas desprendem-se involuntariamente, causando um dano fixo de 50 por turno em todos os que forem identificados por inimigos. A habilidade funciona para os dois e, mesmo que Katharos não identifique alguém como inimigo, se Zóphos o fizer, este estará sobre influência da habilidade e vice-versa.
➤ Rosto de Anjo: O filho do sono é tão calmo e sereno, que sua tranquilidade é sentida por seus inimigos, oponentes e amigos e eles simplesmente não sentem vontade de te golpear.
➤ Empatia: O filho de Hipnos possui alto nível de sensibilidade, por tal motivo são sensíveis às emoções alheias, podendo identificar as emoções de outro ser vivo apenas com a proximidade. (Dependendo da intensidade das emoções pode acabar sendo contagiado pelo sentimento alheio)
➤ Graça Divina Cura atributos anormais como queimadura, congelamento, cegueira e silencio. Inflige cegueira sobre seres do submundo.
➤ Erradicar Toxina: Cura o status de envenenamento.
➤ Gênesis: Retorna o status do alvo ao zero, eliminando todos os “buffers” dele.
➤ Ofertorio: Ao erguer suas mãos para os céus, remove qualquer efeitos negativo no usuário
➤ Curatio Dá um bônus a habilidades curativas de +25%, além de ampliar o HP de Katharos em +100.
➤Gemini Lumen: Concede duas luzes sagrados que ficam em cima do ombro do alvo. Cada vez que é realizado um dano físico, essas luzes disparam um raio, com 10 de dano fixo.
➤ Música de  nimo: Katharos é filho de Hipnos e um músico habilidoso, mas seu desejo de ajudar os outros o faz superar seus limites quando toca uma música. Permite que compre todas as melodias restauradoras independente do limite contabilizado.


Poderes Ativos:
➤ Teleporte: Pode teleportar-se para outro local, desde que já tenha estado nele e seja próximo, ou tenha uma visão clara do espaço, caso contrário, o poder pode deixá-lo em qualquer outro lugar. 20 de MP. Não pode fazer grandes viagens, para essas terá que usar o portal.


Arsenal:
➤ Halo:  Um anel de luz que circunda a cabeça de Katharos e seus filhos, identificando-os como santos e puros. Essa auréola faz com que as pessoas próximas ao portador recuperem 20HP/MP por turno. Além disso causa obediência absoluta em elementais da luz e aumenta o respeito do portador diante dos demais.

➤ Ágape:  Um violino dourado dado de presente por Apolo, como prova de seu arrependimento por ter armado uma armadilha para Katharos e também como mostra de seu amor pelo deus puro. Aumenta a eficiência de melodias restauradoras em 50%.




avatar
Mensagens : 7
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [OWN] O MEU IGUAL DIFERENTE! — KATHAROS

Mensagem por Hades em Qua Fev 22, 2017 5:42 pm

Avaliação
Atualizado por: Hades

Gostei, ficou bem interessante a história e a inocência dele.

♦ 1 Level
♦ 100 XP
♦ 60 Dracmas

avatar
Mensagens : 26
Ver perfil do usuário
HadesDeuses

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum