Últimos assuntos
» MNM - Flores noturnas - Agnes Walker
Hoje à(s) 12:06 am por Hecate

» MNM - Conchas de Coleção - Alessandro Novak
Ontem à(s) 4:45 pm por Joe McDean

» ✮ Colina ✮
Ontem à(s) 2:47 am por Aaren Young

» Pavilhão de Jantar
Ontem à(s) 1:19 am por River Knowles

» EVENTO - JOGOS OLÍMPICOS
Seg Ago 21, 2017 9:23 pm por Axl Valentine

» ♦ TREINO DE AGILIDADE ♦
Dom Ago 20, 2017 5:46 am por Aaren Young

» MVP - A Garoupa - Jesse Diniz
Qui Ago 17, 2017 1:30 pm por Hipnos

» ★ Flores de Fogo ~
Qui Ago 17, 2017 1:31 am por Ace Kurama

» MNM- Confusão das poções- Carter Murdock
Qui Ago 17, 2017 1:21 am por Carter Murdock

Irmãos
3 de 5
Créditos
» Skin obtenido de Captain Knows Best creado por Neeve, gracias a los aportes y tutoriales de Hardrock, Glintz y Asistencia Foroactivo.
» Demais Créditos ao fórum e a Mayu Amakura da Lotus Graphics.
Elite
6 de 9
Parceiros
27 de 33

MOP — Mind Power — Missão para Aaron Tinuviel

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

MOP — Mind Power — Missão para Aaron Tinuviel

Mensagem por Chaos em Sab Jul 02, 2016 5:56 pm



Let's Have Some Fun



Psiquê, a deusa da alma. Seus seguidores são chamados de mentalistas, e todos possuem poderes especiais, geralmente ligados à alma. Todos eles são ligados mentalmente, e quando um está em perigo os outros sentem. Principalmente quando se trata do líder.

Logan Rachmaninnof, um filho de Apolo e um dos melhores mentalistas da deusa da alma estava desaparecido. E, para achar um filho de Apolo, nada melhor como outro filho do deus. Afinal, o sol sempre encontra quem está perdido.

Pontos Obrigatórios:
— Olá, Aron :>
— Bom, vamos lá: você vai receber a visita de Chaos em seu sonho, que lhe avisará que logo você receberá uma missão importante.
— Ao acordar, você escutará baterem na porta do chalé e, ao abrir a porta, verá uma ninfa que pedirá que você vá até a Casa Grande. Assim que chegar lá você verá Kheiron com um pergaminho em mãos, dizendo que o recebeu de Psiquê. O conteúdo do pergaminho, basicamente, é: um de meus seguidores desapareceu. Vá procurá-lo.
— O centauro passará a missão a você e, após aceitá-la, ele lhe dirá que o último lugar que o garoto foi visto foi no Deserto do Atacama. Arrume um jeito de ir até lá.
— Assim que chegar ao seu destino, você vai se deparar com um amontoado de pedras com o símbolo de Dédalo: o DELTA. Toque-o e ele irá lhe mostrar uma passagem.
— Adentre o labirinto, que lhe mostrará um caminho longo de descida primeiro antes de finalmente chegar num corredor plano. Siga por ele até conseguir chegar a um lugar aberto, como uma câmara — lembre-se de que está no Labirinto, e que o tempo passa diferente no lugar.
— Nessa câmara você vai se deparar com uma porta e, à frente dela, estará a Esfinge, que lhe fará uma pergunta — aqui cabe a você decidir a charada, desde que seja uma criativa e relativamente difícil. Independente da resposta da charada, ela saltará para cima de você e tentará lhe matar.  Derrote-a — lembrando que a Esfinge é um ser mitológico único, logo você não poderá matá-la — e siga pelo caminho.
— Seguirá novamente por um corredor escuro e encontrará uma nova câmara — onde estará o mentalista perdido. Ajude-o a tentar voltar para a superfície. Na tentativa de voltar, você terá uma grande dificuldade — nesse ponto não se faz necessária uma luta, desde que seja algo dificultoso e trabalhoso. Quando conseguirem sair da câmara, uma luz cegante surgirá, fazendo ambos fecharem os olhos.
— Assim que os abrir, estarão de volta ao acampamento. Termine sua missão ai.
— Detalhes não citados podem ser adicionados por você.
— Explicações a mais serão dadas no post de avaliação.

Ademais:
— Horário: 13h56min
— Clima: Parcialmente nublado, com chances de pancadas de chuvas em NY
— Temperatura: cerca de 30º

— O uso de templates com barrinha ou com cores cegantes está proibido;
— Armas e poderes ao final do post, em code ou spoiler.
— Ao findar sua missão, por gentileza me avise por MP para que sua avaliação seja agilizada.

— Prazo: 20 dias (caso necessite de mais tempo, é só pedir)

Em caso de dúvidas, estou disponível por MP — Tanto no Chaos, quanto na Elizabeth Stark, quanto na Zoey Montgomery.
Boa morte sorte <3

thanks juuub's @ cp!  
avatar
Mensagens : 8
23
Emprego/lazer : Deusa Primordial
Humor : Entediada
Ver perfil do usuário
ChaosDeuses Primordiais

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MOP — Mind Power — Missão para Aaron Tinuviel

Mensagem por Aron Tinuviel em Qui Jul 21, 2016 2:47 pm


Mind Power

A noite tinha tudo para ser calma e tranquila, com sonhos leves e restauradores, mas, como semideus, eu não tinha esse direito.

Estava em algum lugar na Índia. É só sabia disso por causa do trânsito. Poucos lugares do mundo tinham bicicletas misturadas a animais, elefantes e carros em suas avenidas. O fluxo era intenso e sem qualquer organização, com buzinas gritos e conversas todas ao mesmo tempo numa cacofonia sem fim. Aquele lugar só podia ser definido como...

— Caótico, não? — Disse a voz grave ao meu lado.

Eu fui tomado de surpresa e dei um passo para trás, esbarrando numa moça, que passava apressada com seu filho pelas ruas. Eles estavam sujos e pareciam famintos, as pessoas ao redor deles se afastavam e eles andavam de cabeça baixa, sem olhar para os outros. Pude ver a expressão de repulsa estampada na face dos transeuntes, como se a mulher e seu filho tivessem uma doença extremamente contagiosa, como se fossem leprosos. A mulher e seu filho andaram mais alguns passos, então caíram no chão. Não se levantaram mais, ninguém pareceu se importar.

— Sabia que o índice de acidentes de trânsito na Índia é o maior do mundo? — A voz grave continuou, sem se importar com o que havia acontecido, talvez eu tivesse ajudado a mulher, se não tivesse olhado para ele naquele momento.

Era alto, com uma barba bem alinhada, um sorriso debochado e cabelo espetado. Vestia uma camiseta preta do Link Park, jeans rasgados e coturnos escuros. Havia um bocado de caveiras de prata, o que lhe dava um ar selvagem, mas era sua aura que mais me preocupava. Era como se todo o universo estivesse clamando para que ele sumisse, uma suave distorção acontecia ao seu redor, como se um vórtice atraísse o mundo inteiro contra a sua vontade para perto dele, ou talvez fosse o mundo que habitasse ao redor dele, mesmo com todo o esforço para libertar-se.

— Sabe..O caos é necessário para fazer as pessoas mais atentas, um mundo caótico torna as pessoas mais fortes. — Ele continuou seu discurso como se estivesse dando uma palestra filosófica, eu só não estava gostando do rumo da dissertação. — Entenda que, apesar de não gostar de mim, eu sou tão vital e necessário em sua vida quanto o ar que respira. — Ele se movia de um lado para o outro da calçada apertada e movimentada, as pessoas pareciam enlouquecer ao passarem por seu vórtice.

— Quem é você? — Eu disse trêmulo, apavorado com a resposta. Aquele homem, por algum motivo, me lembrava o coringa, inimigo do Batman.

Ele riu.

— Ainda não conseguiu adivinhar? — Ele me perguntou. — Isso será um problema na missão que está por vir... — Ele ponderou, então parou de andar de um lado para o outro e se virou para mim, numa dramática pausa. — Eu sou o Chaos!

A distorção que o acompanhava se expandiu e transformou-se, conforme sua forma tremeluzia e girava num turbilhão vertiginoso. Vi prédios, carros, pessoas, céu e terra serem sugados e liquifazerem-se à partir dele, derretendo-se numa substância que podia ser névoa, fogo ou água — era impossível definir. Matéria vermelha-cinzenta se revolvia, fervente e fumegante, revirando-se como meu estômago, sugando para dentro de si tudo que originalmente lhe pertencia.

Em dado momento eu também fui sugado, dissolvendo minha existência em trilhões de moléculas, gritando eternamente dentro de meus átomos, horrorizado com a crueldade do mundo e a falta de esperança, completamente à mercê da sopa caótica que era a mais primeva das entidades.



Alguém estava gritando loucamente. Eu não conseguia entender o porque, mas parecia sair do mais profundo âmago da pessoa, um grito de puro horror. Meus braços estavam doendo, presos por alguma coisa. Não. Por alguém. Eu tentei enxergar quem, mas tudo que meus olhos embaçados conseguiam ver era o peitoral bronzeado de um de meus meio-irmãos.

Era eu quem gritava, chorava e esperneava. Max, meu vizinho de beliche, estava tentando me acalmar já fazia um minuto. Ele teve que prender meus braços porque eu tentara me enforcar no meio da histeria.

Eu fui me acalmando, conforme sentia a mão pesada de meu meio-irmão subindo e descendo nas minhas costas, de uma maneira consoladora. Minha face ardia, como se tivesse levado um tapa.

— Shhhh! Já acabou, foi só um pesadelo. — Era apenas um sussurro, seus lábios colados no meu ouvido, seu hálito dando-me uma sensação de conforto impagável.

Eu comecei a soluçar, deixando de resistir ao abraço de urso que Max me dera para impedir que eu me machucasse. Ele afrouxou o aperto e me sentou em seu colo carinhosamente, enquanto eu me desmanchava em lágrimas, o horror do que vivi com Chaos ainda bem vivo em minhas células.

Eu queria explicar o motivo de eu estar naquele estado, mas era impossível controlar os soluços. Max se contentou em afagar os meus cabelos e me manter em um estado de conforto seguro, até que eu me exaurisse.

Vi que ele não fora o único a ser acordado com minha histeria, meus outros meio-irmãos estavam com expressões preocupadas estampadas em seus rostos, apreensivos com meu estado mental. Aparentemente a gritaria fora ouvida até mesmo do lado de fora do chalé, já que via campistas de outras proles ali.

Com minha calma, eles foram aos poucos se dispersando, confiantes de que as coisas estariam resolvidas a partir dali. Tenho certeza que muitos deles se perguntavam o motivo daquele ataque histérico, mas eu sabia que estavam mais aliviados por não ter sido com nenhum deles. Como semideuses, esse era um risco ocupacional.

Depois de meia hora, meus outros irmãos já tinham voltado para seus afazeres, e apenas Max ficou comigo, ainda mantendo a voz tranquilizadora e as palavras acalentadoras. Estava me sentindo um bebê chorão sendo acalmado por sua mãe, considerando o tamanho do peitoral musculoso de Max, eu bem o poderia considerar um lactante. O pensamento me fez rir e eu finalmente me desvencilhei de seu abraço, meio à contra gosto.

Respirei fundo e contei-lhe o sonho. Ele passou o braço pelo meu ombro, quando comecei a tremer ao lembrar do que Chaos era capaz de fazer — se Gaia fora uma inimiga quase impossível, o que diríamos se Chaos resolvesse levar tudo ao nada novamente. O pensamento arrepiou-me até a alma, mas preferi não compartilhar com Max.

Max não era uma pessoa qualquer em minha vida. Havíamos chegado no acampamento na mesma época e não nos desgrudamos desde então, era um bom arqueiro e um amigo sem igual, alguém de quem eu muito me orgulhava ter como companhia. Quando ambos fomos indicados para sermos Monitores do Chalé, resolvemos a disputa com um democrático par ou impar, dando-me a vitória. Na verdade eu tinha quase certeza de que ele havia me deixado ganhar, mas não havia mais o que discutir a esse respeito.

Eu tentava levar minhas obrigações a sério e ele me ajudava sempre que podia. Dizer que eu o admirava era eufemismo. Era um pouco mais do que isso, mas não havia muito o que fazer a esse respeito também, eu era apenas mais um numa longa lista que se estendia a pessoas muito mais interessantes.

— Desculpa! — Eu disse, me recuperando por completo e me desvencilhando de seu abraço, eu não podia ficar ali o dia todo. — E...Obrigado. — Eu agradeci antes de me levantar.

— Ah! Se eu deixasse você morrer, eu me tornaria Monitor. — Seus lábios se curvaram numa expressão desdenhosa — E eu não iria querer limpar essa bagunça sozinho.

Ele estava certo, o quarto estava bagunçado. No geral, os campistas de Apolo não eram lá o exemplo de organização e, com frequência, as coisas estavam sempre espalhadas, incluindo roupa íntima. Vi uma azul no chão e tive a certeza de que era de Max, não só por já tê-la visto a peça, mas por reconhecer o cheiro dele.

— Depois você fica pelos cantos reclamando que não tem cueca. — Eu joguei a cueca para ele, que a pegou no ar.

— Não é bem isso, uma das minhas cuecas sumiu, a branca! — Ele fez uma careta ao sentir o cheiro da cueca, tive que desviar o olhar para ele não me ver corando. — Aposto que foi o Logan que pegou! — Não, não tinha sido o Logan, mas eu jamais contaria que ela estava muito bem escondida na minha mochila. Esse segredo ia comigo para o túmulo.

Logan...Já fazia algum tempo que não o via. Acho que fora em uma missão para sua madrinha divina, Psichê.

Eu gostava da deusa e de toda a sua história de amor tórrida com Eros, que a levara a fazer os mais impossíveis trabalhos, uma cortesia de Afrodite. Um amor que sofrera obstáculos intransponíveis, mas conseguira sobreviver a todos eles. Simplesmente poético.

Pensar tudo aquilo me deixou deprimido.

— Bom, vou tomar banho, você tem muita coisa para arrumar, antes de poder me dar atenção. — Ele disse, e eu devia ter me virado.

Max já costumava dormir semi-nu, apenas de cueca ou de shorts, o que era a causa de meus problemas de insônia, mas havia uma mania dele que era ainda pior. Quando ia tomar banho, ele não ia para o banheiro e lá tirava a roupa. Não. Ele tirava a roupa no quarto, se enrolando na toalha, ficando um momento inteiramente nu.

Não foi diferente dessa vez, ele tirou a cueca verde, jogou na minha cara e saiu em direção ao banheiro, dando-me o trabalho de ter que me sentar e tentar a todo custo me acalmar. Definitivamente eu tinha que tomar uma ducha fria. Muito fria.

A limpeza demorou um pouco, mas acabei um pouco antes dele sair do banho, enrolado na pesada toalha molhada que marcava facilmente sua parte mais desejável. Os cabelos molhados e o cheio de sabonete, caminhando despreocupadamente.

Eu ficava extremamente inquieto, mas dessa vez haveria troco.

Tirei a roupa no meio do quarto e passei pelado por ele, em direção ao banheiro. Não tive coragem de olhar em seus olhos para conferir sua expressão, talvez ele nem se importasse com isso.

Tomei um banho frio naquela manhã, esperando acalmar um pouco o fogo que lambia minha alma. Eu nem queria pensar na possibilidade dele ter ignorado meu corpo, foi uma ideia idiota é irracional, eu não a repetiria. Nunca mais.

Saí do banho vestido, ainda secando meus cabelos, tentando ignorar a sensação de profundo arrependimento por feito algo tão idiota, meu rosto queimando de tanto nervosismo.

Eu me preocupada a toa, pois Max estava com uma expressão alarmada, uma ninfa estava à seu lado. Era bela, com feições suaves e cabelos escuros, seu vestido branco esvoaçando à mercê do vento que entrava pela janela.

— Kheiron esta chamando vocês dois. — Ela disse simplesmente, sua melodiosa voz preenchendo nossos ouvidos.

Eu e Max nos entreolharmos, meu nervosismo sendo substituído pelo medo. Chaos dissera que uma missão estava por vir. Pelo visto, havia chegado.

Nós apenas acenamos afirmativamente e a seguimos para a Casa Grande.

Quando chegamos, Max se apresentou primeiro, deixando-me na sala de espera, meus dedos tamborilando uma etttude no criado mudo de carvalho da sala. Não sei quanto tempo demorou, mas Max saiu com uma expressão indecisa, parecia ponderar sobre algo.

— Ele me pediu para procurar um pacote... — Disse, após segundos me fitando. Eu acenei afirmativamente.

Eu sabia que isso queria dizer que não estávamos indo para o mesmo lugar.

— Boa sorte! — Eu falei, mesmo não esperando que fosse ter. Sorte não é exatamente o forte dos semideuses.

Ele se aproximou e deu um beijo em minha testa, dizendo que voltaria o mais rápido que pudesse para me ajudar. E saiu pela porta apressadamente. Eu sabia que aquela podia ser a última vez que nos veríamos.

Eu entrei no escritório de Kheiron com pouca cerimônia, conhecia o lugar bem o audiente para não me distrair com a breguice do local, que parecia um vômito dos anos 60. Ele me fitou com apreensão, decidindo se eu era a melhor pessoa para o trabalho. Talvez tenha feito uma nova seleção em sua cabeça, mas deixou a ideia de lado.

Ele estava com um pergaminho nas mãos, dizendo que era de Psichê. Ele me entregou o rolo e eu vi apenas uma mensagem autoritária: Um de meus seguidos desapareceu. Vá procurá-lo.

Segundo o centauro, era Logan o tal seguidor desaparecido e a ultima vez que seus amigos receberam uma mensagem telepática dele foi quando estava no Deserto do Atacama. Muito, muito longe de onde ele deveria estar. A preocupação tomou conta do meu ser e me vi tamborilando uma das composições de Rachmaninnoff por puro reflexo.

— Vou procurá-lo! — Eu disse firme, levantando-me da cadeira. Tinha preparativos para fazer.



Era o início da noite, quando eu cobri minha cabeça com o capuz, deixando meu rosto oculto nas sombras que começavam a serem lançadas pela parca iluminação dos postes. Um carro ou outro passava pela estrada correndo à velocidades absurdas.

Max já havia partido fazia tempo, aparentemente havia um reforço na missão dele, um filho de Eros com um perigoso dragão. Não que me importasse como quanto o garoto era bonito ou o fato dele ser bem mais interessante que eu. Isso não me incomodava nenhum pouco.

Ouvi o grito agudo do grifo prateado descendo pelo céu e sorri. Grey sabia fazer uma entrada triunfa. Ele pousou pousou a dez metros de mim, eu podia discernir a figura dentro de uma capa preta semelhante a minha.

— Está atrasada. — Eu disse, meu sorriso totalmente aberto.

Ela abaixou o capuz, revelando como eu seria se eu fosse mulher. Cristie, minha irmã gêmea, afagava com um sorriso atrás da cabeça de Gray, seu grifo de estimação. A criatura era maestria, maior que eu, mas um doce de pessoa, pelo menos para aqueles que minha reconhecia como aliados.

— Tive um pequeno contratempo. — E seu sorriso conspiratório apareceu de imediato.

Foi um encontro cheio de abraços e beijos, com os dois tentando atualizar tudo o que havia acontecido desde que ela havia me deixado na colina meio sangue, onde eu começara minha aventura.

Eu havia mandado uma mensagem de íris para minha irmã, apenas uma carona até o deserto, que estava muito longe de minha atual posição. Nas costas de gray a viagem seria muito mais rápida. Ela também estava em uma missão e faria um pequeno desvio apenas para me ajudar.

— Vamos? — Ela disse finalmente, enquanto montava no grifo.

Eu hesitei por um instante, mas tratei de me aventurar nas costas felinas do animal. Levantamos vôo em seguida, o vento gelado fazendo questão de entrar por dentro de minha capa. O céu estava estrelado, com a lua brilhando a vontade.

Abaixo de nós as paisagens passavam em alta velocidade. Postes, florestas, estradas e lagos, tudo passava em instantes, sem deixar que meus olhos se ficassem mais que poucos segundos. Eu aproveitei para matar as saudades de minha irmã- ela não me revelou sua missão, eu não queria revelar a minha. Sabíamos que preocupações desnecessárias poderiam atrapalhar ambos e não queríamos por nenhum de nós em risco.

As belezas exuberantes foram, aos poucos, sendo substituídas pela vastidão desértica, conforme nos aproximávamos das últimas coordenadas de Logan. As estrelas no céu eram lindas, completamente diferentes de qualquer outro lugar que eu já vira, mas os quilômetros desabitados me pareciam desolador.

A estrada serpenteava pelo deserto e, quando passamos por uma parte da estrada, próximos a uma formação rochosa estranha, eu tive uma espécie de visão. Não sei explicar bem, parecia que eu era o Logan e estava correndo por ali. Pedi para Cristie posar Gray.

Pousamos na estrada, vendo nada mais que deserto para todos os lados. Eu devia estar maluco em fazer qualquer coisa naquele lugar, se eu estivesse errado provavelmente nunca conseguiria sair daquele lugar, não havia uma viva alma a quilômetros de distância, mas resolvi seguir meus instintos.

— Obrigado, Cristie. — Eu agradeci, indicando que aquele era o ponto que nos separávamos, mas ela não gostou da ideia.

— Aron, não tem ninguém aqui, talvez se dermos uma volt... — Eu não deixei ela terminar. Eu sabia que ela também estava correndo contra o tempo.

Chaos tinha aparecido especificamente para mim, só eu poderia realizar aquela missão, só eu poderia achar o caminho, mesmo que tivesse a chance de alguém me ajudar, provavelmente as coisas acabariam muito mal. Não que fossem acabar bem de qualquer forma.

— É aqui, eu tenho certeza. — Minha determinação já a vencera inúmeras vezes. E ela sabia que, às vezes, eu tinha uma espécie de sexto sentido que me guiava.

Ela abriu e fechou a boca mais algumas vezes, sem conseguir argumentar com minha decisão. Finalmente me deu um abraço resignado.

— Cuide-se. — Ela disse, os olhos marejando.

— Volto inteiro para casa! — Eu não tinha tanta certeza.

Fiquei observando-a montar no grifo e levantar vôo, rumando para o sul. Não sabia em que tipo de missão ela estava envolvida, mas pelo menos, já sabia qual era a direção de seu paradeiro, caso precisasse procurá-la. Tremi com essa possibilidade.

Olhei ao meu redor, tentando entender para onde eu deveria ir. Observei bem as formações rochosas que me cercavam, pareciam a quilômetros de distância, a mais próxima era o pico alto e íngreme que se erguia há pelo menos quinze metros de altura. Era de rocha calcária e sua base era menor que seu pico, me fazendo acreditar que cairia sobre minha cabeça.

Eu me vi correndo em direção à rocha, uma criatura gigante me perseguindo. Eu arfava e gritava por ajuda, mas não havia uma alma viva se quer para me ajudar, minhas passados eram abafadas e ficava cada vez mais difícil me mover. Era outra visão.



Por puro reflexo olhei às minhas costas, não havia ninguém me perseguindo, mas agora eu conhecia o local, sabia exatamente para onde ir. Me dirigi para a rocha, seguindo a passos lentos pelo caminho que minha visão havia me mostrado.

Ainda não entendia bem o porquê de eu estar seguindo instruções tão repentinas, mas minha intuição estava fortemente me mandando seguir em frente e eu geralmente seguia minhas intuições.

Ao me aproximar da Rocha calcária, vi um amontoado de pedras em formato triangular, o que era bem esquisito. Uma delas parecia ter sido marcada com ferro em brasa, desses que se usa para marcar o gado.

Eu me vi tocando a pedra desesperadamente, a criatura muito próxima de mim. Outra visão.

Eu toquei a pedra e, como num passe de mágica, uma saliência se abriu na rocha calcária, quase como se fosse uma parede de tijolos se desfazendo, revelando uma entrada, que eu não sabia para onde me levava. Eu fui burro o suficiente para entrar.

Quando entrei, a entrada se fechou e tochas nas paredes acenderam-se magicamente. Ciente de que não voltaria por onde eu vim, segui pelo único caminho que se abrira para mim.

O caminho seguia reto, inclinando-se levemente para baixo, entrando nas profundezas da terra, eu não via o fim do corredor, a iluminação era parca é pouco eu poderia perceber do local, mas a pedra fora trabalhada, mágica ou humanamente? Eu não sabia dizer, mas as paredes eram milimetricamente lisas, sem qualquer imperfeição oi barriga nas paredes.

Nquanto seguia meu caminho claustrofóbico, tive tempo para me preocupar com Max e Cristie, talvez eu nunca mais os visse, esperava que nenhum deles fosse burro o suficiente para me seguir até ali. Não apenas uma vez tive visões de mim correndo por aquele túnel, desesperado com a perseguição que se seguia.

Tentei me lembrar quanto tempo Logan estava desaparecido. Ele saíra há duas semanas, mas apenas a três dias os empáticos deram falta dele. Será que a sombra o alcançara? Será que ele estava morto? Não. Ele não poderia estar morto, do contrário Psichê não me mandaria atrás dele, me mandaria? Eu não conhecia a deusa, mas a imagem que eu fazia dela não correspondia com uma sádica que mandaria um campista para uma missão suicida.

Em dado momento parei e tomei um pouco de água, que estava na sacola que eu preparara para a viagem. Sentei um pouco e acho que dormi alguns minutos, ou foram horas? Eu já não sabia dizer quanto tempo estava andando.

Demorou mais uma hora, ou pelo menos fora o que parecera aos meus pés cansados, andando até que finalmente cheguei num corredor amplo, com pé direito alto, a iluminação parca vinda unicamente da chama das tochas nas paredes.

Eu me vi seguindo pelo corredor, ainda fugindo da perigosa sombra que me perseguia. Outra visão.

Segui pelo corredor com cautela, mas não havia qualquer habitante naquele lugar. Dessa vez o caminho parara de descer e apenas prosseguia a oeste de onde eu havia passado. Não apressei o passo, permaneci firme, não sabia por mais quanto tempo eu pessegueiros pelo túnel, minha mente sendo invadida pelas visões de perseguição.

O túnel se abriu em uma câmara ampla. Um hangar grande, poderia caber um avião, mal iluminado pelas tochas nas paredes de rocha negra. O ar era mal cheiroso e atacaria a alergia de qualquer um, mas o chão era firme, o que queria dizer que eu não cairia em uma armadilha tão cedo.

Me vi correndo desesperadamente até o final da câmara e fechando atrás de mim uma porta, enfim seguro, a sombra não penetrara a fortaleza, mas eu estava preso e não sabia como sair.

Dei um passo para trás quando percebi o que a última visão significava. Se Logan estava dentro atrás da porta, significa que a sombra estava na câmara. Eu estava na câmara.

Fiquei imediatamente em estado de alerta, prescrutando todos os cantos da câmara até encontrá-la. Estava confortavelmente sentada à frente da porta. Cabelos castanhos e olhos felinos, por trás de lentes quadradas. Essa era a única parte de seu corpo que era humana, pois o resto era como uma leão. Me olhava com interesse e eu por pouco não molhei minhas calças.

— Olá semideus, veio para libertar seu amigo? — Ela perguntou, meio ronronando.

Eu não sabia qual era o propósito dela mantê-lo preso, mas talvez ela só precisasse dele, o que queria dizer que eu era totalmente desnecessário.

— Vim... — Eu disse, inseguro. — ...Você se importaria? — Eu devolvi a pergunta.



Ela riu, ou ronronou, não dava para diferenciar.

— Nenhum pouco, mas... — Ela se ergueu, espreguiçando-se felinamente. — Terá que responder um enigma. Se acertar, a porta se abre, se errar, eu te devoro. — Seu sorriso se alargou, mostrando as presas felinas.

As palavras dela caíram pesadamente em mim. Então era por isso que ela estava mantendo Logan preso? Só para ficar fazendo charadas para o seu jantar? Monstros...

Não havia muito o que fazer, ela não me permitiria sair dali de qualquer jeito, então talvez, só talvez, ela mantesse sua palavra e eu conseguisse resolver a charada sem maiores problemas e conseguisse salvar Logan.

— Tudo bem, qual é a charada?

Ela fez uma expressão misteriosa enquanto recitava o enigma.

Nenhum homem me viu, mas todo homem me conhece.
Mais leve que o ar, mais mortal que uma espada.
Venho de lugar nenhum, mas apareço em todo o lugar
E, numa reviravolta cruel, farei cair o mais poderoso dos exércitos.
Quem sou eu?


Eu fiquei absolutamente confuso, naquele momento eu me preparei para o pior, jamais conseguiria saber do que se tratava.

— Não responda sem antes pensar, enigmas devem ser desfrutados. — Ela disse e se sentou com uma expressão paciente no rosto.

Entendi que ela não me devoraria por demorar a responder sua charada, então baixei minha guarda. Tinha que começar a pensar.

O fato de ser mais leve que o ar, significa que estávamos falando de um conceito, não de um elemento ou algo físico. Era algo que todos, sem nenhuma, exceção conhecem, algo perigoso e poderoso o suficiente para fazer um exército inteiro cair.

O sonho com Chaos me veio à mente e quase respondi que era dele que estávamos falando, mas percebi que tinha algo mais fundamental na questão. A mulher e o filho que caíram nas ruas pareciam famintos. Não existe ferida mais incapacitante que a fome.

— Você é a fome! — Eu respondi, após um bom tempo de reflexão.

Ouvi o trinco destrancar e a porta atrás da Esfinge se abriu. Eu teria corrido em sua direção, se a mulher não tivesse se erguido e avançado na minha direção. Só naquele momento eu percebi que ela dissera que a porta se abriria, não que ela não me devoraria.

Comecei a recuar enquanto ela avançava. Saquei o arco e atirei duas flechas, uma passou longe dela, a outra fincou-se em seu braço, mas não a impediu de avançar. Ela vinha na minha direção como um trem descarrilhado e eu quase não tive como me desviar das poderosas garrar que arranharam meu braço superficialmente.

Eu aproveitei o momento e lancei quatro flechas de fogo, acertando nas costas, na pata direita e duas no rosto da criatura, que fugiu furiosa na minha direção em alta velocidade. Lancei mais uma flecha de fogo, mas dessa vez controlei a luz da flecha para causar um clarão momentâneo, obstruindo a visão da Esfinge e, quando ela avançou na minha direção a toda velocidade, eu ergui uma parede de terra.

Ela bateu com tudo contra a parede. Fora tão forte que quebrara a rocha, mas a Esfinge jazia desacordada. Totalmente inconsciente. Eu corri para a porta, apreensivo se Logan ainda estava vivo.

O corredor que se revelou a mim era escuro e mal iluminado, mas seguia reto. Não era tão longo como os outros, mas tão claustrofóbico quanto.

Mais uma vez eu estava numa câmara, semelhante à anterior, mas bem menor. Logan estava deitado no centro dela, aparentando estar fraco, mas vivo. Logan estava vivo.


— Logan! — Eu chamei e vi a dificuldade com que ele olhou na minha direção, mas havia alívio nela.

— Graças a Psichê! — Ele falou em minha mente, sem mover os lábios. — Há dias estou enviando mensagens telepáticas, mas ninguém me responde.

Isso explicava as visões que eu vinha tendo desde que havia me aproximado daquele lugar. Logan estava enviando-as para que alguém pudesse resgatá-lo.

Agora que eu estava ali, poderíamos tentar fazer o caminho de volta, mas duvidava muito que ele fosse se abrir para nós, mesmo com a esfinge derrotada. Aparentemente o mecanismo só funcionava pelo lado de fora, talvez tivesse uma segunda entrada daquele lugar.

Explorei a câmara e achei uma abertura na rocha, algo como a saliência que tinha na entrada, mas não consegui encontrar a chave. Estava escuro e difícil de ver, então resolvi usar uma abordagem diferente.

Produzi uma flecha de fogo e dominei a luz, de forma que ela clareasse todo o local. Acima de nós, uns cinco metros de onde estávamos, no teto da caverna, havia um símbolo triangular queimado na rocha, como o da entrada, mas como subir lá?

Escalar não daria certo e eu não tinha uma escada para subir até lá. Uma ideia doida me ocorreu.

Fiquei exatamente no ponto abaixo do símbolo e invoquei uma parede abaixo de mim. Ela se ergueu a três metros e meio do chão, levando-me junto para cima. Toquei a pedra e vi o mesmo efeito de tijolos se desfazendo que antes e tive certeza de que era uma saída, mas a queda seria cruel.

Preparei-me e pulei do paredão. Tentei a todo custo não me machucar, mas quando minha perna esquerda encostou no chão, eu senti todo o impacto da descida. A dor me  fez ir ao chão por um instante, mas eu tinha que continuar dali, eu precisava ajudar Logan.

Passei o braço dele pelas meu ombro e o apoiei. Estava fraco demais para andar sozinho, mas, mesmo com a perna esquerda provavelmente fraturada, eu tinha que carregá-lo para casa. Eu estava perto do fim daquele pesadelo.

Atravessamos a passagem é uma luz cegante nos impediu de ver qualquer coisa. Saímos em algum lugar no bosque do acampamento. Estávamos salvos.

Logan enviou mensagens telepáticas pelo acampamento e logo uma equipe de resgate apareceu. Havia terminado ali.



Qualidades:
➤ Pupilo: Grande afinidade com magia, podendo assim, comprar feitiços na loja e usa-los muito bem.

➤ Simpatia: Habilidade de conquistar pessoas pela essência. Causa muitas chances de evitar combates desnecessários.

Defeitos:
➤ Mania: Tamborila os dedos sempre que estiver inquieto, ou quando ouve uma música

➤ Ciumento: Incapacidade de confiar nas pessoas queridas, tornando-se obcecado por elas e as sufocando dentro de si mesmo. Causa falhas constantes em qualquer decisão feita ou realizada pelas pessoas que o campista gosta.

Poderes Passivos:
➤ Arqueiro: Habilidade de manusear arcos com maestria. Cada treino com arco equivale ao dobro de pontos.


Poderes Ativos:
➤ Fotocinese Básica: Possui a habilidade de controlar o elemento luz somente com comandos mentais. Podendo moldá-la como quiser. Lembrando que há uma maior dificuldade no controle de sua intensidade e temperatura. Ainda não pode produzir tal elemento e só consegue dominar pequenas quantias de luz. Dano de no máximo 50 pontos com gasto de 20MP.

Feitiços:
✮ Paredão: Magia que levanta da terra uma parede sólida que defende com sucesso ataques diversos. A parede pode receber até 100 pontos de dano, depois disso ela é destruída. Gasta-se 25MP

Equipamentos:
➤ Arco de Fogo: Um Arco feito de ouro olimpiano sem cerda, com o poder de criar flechas de fogo ao imitar o movimento normal de um atirador. A flecha é criada a partir da energia do filho de Apolo, ou seja, consomem 5MP para serem criadas. Portanto, são infinitas até que o MP chegue a 0. Cada flecha gera um dano de 10 pontos.

➤ Corvo Negro: Manto negro de penas de corvo, que permite a cria do Sol desaparecer na noite. Deixando seu brilho se esconder nas trevas do manto de corvos. O indivíduo não some, apenas sua presença é escondida do mundo.

➤ Aljava com 50 Flechas

LFG@
avatar
Mensagens : 89
Ver perfil do usuário
Aron TinuvielFilhos de Apolo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MOP — Mind Power — Missão para Aaron Tinuviel

Mensagem por Hipnos em Sex Jul 22, 2016 7:10 pm


AVALIAÇÃO

Parabéns pela missão. Não fiz uma avaliação mais profunda pois essa missão não foi escrita por mim. Então lhe dei 50XP por cada item imposto por Khaos e vou te dar Dracmas, pois foi uma missão dada pelo acampamento.

♦ 450 XP
♦ 100 D$


avatar
Mensagens : 547
Ver perfil do usuário
HipnosDeuses Menores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MOP — Mind Power — Missão para Aaron Tinuviel

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum